Você provavelmente já deve ter ouvido falar da importância de fazer manutenções nos condomínios. Porém, o que pouca gente sabe é que a manutenção predial vai muito além de fazer pequenos consertos e reformas. Esse é um termo mais complexo e que precisa ser bem conhecido pelos síndicos a fim de evitar graves problemas no edifício.

Para ajudar você, neste post, nós vamos falar sobre ela, como deve ser feita e quando.

Ficou curioso? Continue lendo e saiba mais!

O que é manutenção predial?

Manutenção predial é, muitas vezes, confundida com reformas. Na verdade, ela vai muito além disso, pois é caracterizada por um conjunto de inspeções realizadas nas áreas comuns do prédio ou do condomínio de forma preventiva e corretiva.

Entre elas, pode-se destacar 4 tipos, que são:

·         conservação: atividade mais diária, como operações de limpeza e pequenos consertos;

·         reparação: atividade preventiva, isto é, consiste em fazer inspeções rotineiras a fim de aplicar alguma reposição pontual, evitando que o item se desgaste antes do prazo de validade

·         restauração: atividade corretiva, consiste em uma intervenção para reparar algum dano;

·         modernização: atividade de inovação, feita para melhorar a estrutura ou sistemas da edificação.

As manutenções, diferente do que se penca usualmente, são indispensáveis para manter a estrutura do prédio bem cuidada e não são apenas de ordem externa ou estética. De acordo com a nova legislação, é necessário fazer intervenções de prevenção e correção sempre, recorrendo à consultoria de engenheiros e empresas de construção civil que possuem responsabilidade técnica sobre as vistorias e laudos

Como e quando fazer as inspeções?

Agora que você já entendeu o que é manutenção predial, vamos explicar como e quando fazê-la, mostrando quais são as reparações essenciais. Veja:

Instalações elétricas

Para um bom funcionamento da parte elétrica do condomínio, é fundamental inspecionar se não estão ocorrendo queima frequente de lâmpadas e equipamentos, se não está havendo oscilações de energia, se os quadros e outros equipamentos estão em bom estado de conservação, detectando algum dano que necessita de reparos e modernizações.

Tratando-se de questões mais complexas, como aquecimentos dos cabos, fios soltos e expostos, acione um profissional da área para que ele possa identificar os danos e informar a medida corretiva.

Cuidado: problemas com fiação podem gerar muita dor de cabeça, como incêndios, gastos a mais com energia e até colocar a vida de alguém em risco por causa de choques.

A norma determina que a inspeção deve ser feita a cada dois anos, no mínimo, de forma mais geral e de forma mais detalhada a cada cinco anos.

Instalações hidráulicas

Um típico exemplo de que é necessária uma inspeção das instalações hidráulicas são as infiltrações. Por isso, sempre observe as paredes e os tetos de todos os andares a fim de identificar bolhas, manchas ou fissuras por excesso de umidade.

Além disso, fique atento à vedação da caixa d’água e a sua higienização, aos possíveis vazamentos de tubulações trincadas, que podem vir a estourar. Assim como na inspeção da parte elétrica, a hidráulica deve ser monitorada mais detalhadamente a cada cinco anos.

Hidrantes de extintores

Monitore com certa periodicidade se os hidrantes e extintores estão carregados e dentro do prazo de validade. Caso não estejam, isso pode gerar multas ao condomínio e acarreta ao não custeio da apólice por parte da seguradora no caso de algum incêndio por exemplo.

Elevadores

A fim de evitar problemas, a casa de máquinas deve ser ventilada, não ter infiltrações e ser bastante organizada. Além disso, é preciso analisar as necessidades dos prédios e quais são as melhores tecnologias para não gerar algum tipo de sobrecarga do sistema elétrico e dos próprios elevadores.

Vistorias gerais devem ser feitas mensalmente e outras mais detalhadas a cada ano por empresas especializadas.

Para-raios

Contrate um engenheiro elétrico para instalar para-raios de maneira correta e sem riscos. O tempo de manutenção dependerá das recomendações tanto do fabricante quanto do profissional que fez a instalação.

Portaria

Por fim, a portaria deve ser checada todos os dias. Isso porque, é ela quem garante a segurança dos moradores em relação a quem entra e sai do condomínio. Dessa forma, os portões devem ser vistoriados com frequência, assim como o interfone, o sistema de câmeras e alarmes.

Lembre-se também de que contratar empresas especializadas em segurança é essencial para garantir a proteção desses sistemas.

Por não ter conhecimento sobre as edificações ou assuntos mais técnicos, muitos síndicos podem acabar não levando a manutenção predial a sério. Dessa forma, é preciso consultar profissionais das áreas de construção civil, engenharia elétrica e outros a fim de fazer vistorias rígidas. Além disso, o síndico deve criar uma agenda para monitorar as datas de cada inspeção.

Saiba que a manutenção periódica é que garante a vida útil dos equipamentos, a validade das garantias dos fabricantes e construtora, bem como gera benefícios ao patrimônio de todos os envolvidos.

Este artigo foi útil para você? Então, assine nossa newsletter e receba outros conteúdos relevantes!