• 16 de Maio de 2019
  • Comentário(s)

Por ser uma área comum, a piscina de condomínio deve estar sempre bem cuidada. Afinal, os condôminos pagam pela sua conservação. Por isso, é preciso investir em manutenções, impor regras de utilização e ainda dar orientações aos usuários.


Neste artigo, vamos abordar 3 dicas básicas, mas essenciais, para manter a piscina do condomínio bem cuidada. Confira!

1. Faça manutenção da piscina regularmente

A manutenção da piscina é muito importante para que ela esteja sempre limpa e funcionando bem. Por isso, o ideal é contratar um profissional para realizar o serviço.


No verão, o cloro da piscina deve ser reforçado de dois em dois dias. Além disso, o pH da água deve ser medido semanalmente a fim de garantir sua qualidade. Este deve estar em torno de 7,2 e 7,6.


Em períodos de maior utilização da piscina, é necessário retirar as sujeiras mais visíveis com todos os dias, como galhos, insetos e outros. Já a escovação e aspiração pode ser feita de 15 em 15 dias.

2. Estabeleça regras de uso

As regras de uso da piscina de condomínio também são muito importantes para garantir sua conservação. A mais importante delas são os dias e horários de sua utilização, (de terça a domingo, das 9h às 18h, por exemplo), pois assim pode-se reservar períodos específicos para limpeza e manutenção.


Outro ponto importante é a segurança das crianças. Por isso, é essencial determinar regras como a que crianças de até 12 só podem entrar na piscina acompanhadas dos responsáveis.

Normas de utilização

Há outras normas de utilização que garantem uma melhor convivência entre os condôminos, como:

  • não consumir alimentos e bebidas na área da piscina;

  • não usar trajes de banho fora da área de piscina;

  • não pular na piscina ou praticar saltos;

  • respeitar as normas de pudor;

  • não permitir a circulação de animais nas dependências da piscina;

  • não usar aparelhos de som na área de lazer;

  • tomar ducha antes de usar a piscina.


Vale ressaltar que essas e outras regras devem estar previstas no regimento interno do condomínio e reforçadas em uma placa na área comum.

3. Peça atestado médico aos moradores

Por fim, tendo em vista que a água é um ambiente de alta proliferação de bactérias, fungos e doenças, é muito importante que os moradores providenciem um atestado médico. Isso porque, pode-se transmitir algumas doenças por meio da piscina.


Essa exigência fica a cargo do condomínio, mas deve ser votada em assembleia. Muitos condomínios, para prezar pela saúde coletiva, preferem proibir a utilização da piscina por visitantes, por exemplo.


Caso o condomínio queira adotar essa medida, ele deve fazer uma lista com os tipos de doenças que, cientificamente provadas, podem impedir a utilização da piscina. Além disso, deve-se encaminhar os atestados para análise de um médico. Lembrando que nenhum morador deve ser exposto ou constrangido por seu estado de saúde.


Como a piscina de condomínio é de uso comum, deve-se prezar pela sua limpeza e o bom senso ao utilizá-la. Todas as regras e instruções tem que estar previstas no regimento interno e ser de conhecimento de todos os moradores e condôminos.


O que achou destas dicas? Se gostou, não deixe de compartilhar este post em suas redes sociais e mostrá-las aos seus amigos também!


Comentários